10 de abr de 2011

Números e o Destino


Uma das questões mais valorizadas em estudos de esoterismo é o futuro. Mas não o futuro que viria como fatalidade, e sim o futuro como resultado de nossas ações e intenções passadas e presentes. Não um futuro estanque, mas sim um futuro dinâmico e vinculado aos outros seres.
   Como já vimos aqui, o nome completo é a fonte de cálculos que geram análises sobre a personalidade do indivíduo, em seus aspectos mais íntimos e mais evidentes. Há vários outros cálculos que podem ser feitos em relação à personalidade, mas antes de se avançar nestes, é necessário abordar as tendências de destino da pessoa. Mas para tanto é preciso antes ter em mente o que de fato vem a ser o destino.

O que é o destino?

De acordo com o dicionário Houaiss, destino vem a ser “personalização da fatalidade a que supostamente estão sujeitas todas as pessoas e todas as coisas do mundo; sorte, fado, fortuna”; “tudo que é determinado pela providência ou pelas leis naturais; seqüência de fatos supostamente fatais; fatalidade”; “acontecimento (bom ou mau); fortuna, sorte, fado”; “o que há de vir, de acontecer; futuro”; “objetivo ou fim para o qual se reserva algo; destinação, serventia”; “resultado final; remate, termo”; “local aonde alguém vai; direção, destinação, meta, rumo”. Temos assim três conceitos básicos:
— o de sorte ou azar;
— o de rumo ou direção;
— e o de resultado natural.

A idéia de sorte ou azar é a mais popularizada no que diz respeito a destino, embora seja a mais errônea e fantasiosa. É este conceito que os chamados videntes assumem, ao prever de maneira inflexível o que seria um imutável futuro. Quanto a isto, é importante dizer: não existe futuro imutável. Posto isto, a conclusão inevitável é: não é possível fazer uma previsão exata de futuro. Ao menos não honestamente.

Para que serve a análise do destino no esoterismo?

A numerologia, bem como outras disciplinas esotéricas, busca antever, ou prever, os ciclos de cada pessoa, os quais indicam momentos favoráveis ou desfavoráveis para determinadas ações. Isto influi no destino e aborda o mesmo, mas é bem diferente de prever o destino em si. A diferença é simples: da mesma forma que o agricultor sabe que há estações favoráveis e outras desfavoráveis para determinados plantios, o estudante de esoterismo sabe que é possível prever o momento ideal de cada ação. Portanto, tomar determinada atitude num momento desfavorável é o mesmo que plantar morangos em alto verão: dificilmente funciona, e se funciona, o custo costuma não valer a pena.
   Portanto, assim como para os frutos e vegetais, a estação ou período no qual se toma uma atitude será um dos fatores mais importantes para seu sucesso ou fracasso. Tirar férias num período marcado pelo número 4, símbolo de trabalho, é ter praticamente certo que algum motivo ligado a trabalho, obrigações ou burocracia impedirá o aproveitamento pleno das férias. (Eu que estou vivendo um ano 4 no momento tenho muito a falar sobre isso, o que em breve será objeto de um post aqui no blog.) Da mesma forma, trabalhar num momento indicado para se relaxar geralmente resulta em trabalho mal-feito devido ao esgotamento de uma mente que precisa se reciclar e de um período de ócio e recomposição.
  O destino pode ser abordado no mapa numerológico natal, através do Caminho do Destino; e no mapa numerológico anual, através do Ano Pessoal
  Neste post abordaremos o Caminho do Destino, que representa o tipo de vida que a pessoa vive, a atmosfera externa de sua existência como um todo, o tipo de fatos e seres que naturalmente fazem parte da vida de um indivíduo, o tipo de situação recorrente etc. O próximo artigo desta série abordará o ano pessoal. Se a personalidade (interior, exterior e síntese) reflete quem é a pessoa, enquanto que o caminho do destino representa como vive a pessoa.

Como calcular o Caminho do Destino?

O cálculo do caminho do destino é extremamente simples. Basta somar os números do dia, do mês e do ano do nascimento. É importante ressaltar que os números devem ser somados em suas formas originais. Ou seja, uma pessoa nascida em 10.12.1960 deve ter seus números somados assim:

10 + 12 + 1960 =

1982 = 20 / 2 

Se a soma fosse feita com os números de nascimento reduzidos ( 1 + 3 + 7 ) o resultado seria 11, um resultado errado, já que é genérico, igualando as pessoas que nasceram em março e em dezembro (ambas com o mês 3, já que 12 seria reduzido a 3 também), o que naturalmente não é correto. Há diferenças evidentes entre nascer em dezembro ou março. O Caminho do Destino em questão é 2, cujo simbolismo é diferente do de 2, apesar de aparentado.

Características de cada caminho do destino

Vejamos agora uma lista de indicações do simbolismo de cada número elementar ou mestre para o caminho do destino. Ressalto que esta é uma das posições do mapa, que deve ser analisada dentro do contexto do mapa como um todo para fazer real sentido. É uma das mais importantes posições, contudo, e deve ser analisada em profundidade, e levando em consideração os números de origem.
   Observe que a personalidade é determinante quanto à qualidade da vivência do Caminho do Destino: é mais fácil para uma pessoa com síntese 5 viver um caminho do destino 1 do que para uma pessoa de síntese 2. Uma personalidade do tipo 2 naturalmente tem certa dificuldade de se encaixar às necessidades do caminho do destino 1. Esta dificuldade, contudo, não implica impossibilidade: isto depende de livre-arbítrio e força de vontade. 

Caminho do destino 1 — Pessoas que costumam se ver espontaneamente em posições de liderança nos ambientes em que se encontram. A vida lhes pede decisão e agilidade; devem ser independentes e não esperar que ninguém os ajude ou faça algo por eles: é atribuição dessas pessoas cumprir certos papéis e desempenhar funções de direção. Devem aprender, contudo, a delegar poderes e exercitar a humildade para não se deslumbrar com o poder e não agir de forma autoritária. Ambientes essencialmente masculinos. 

Caminho do destino 2 — Pessoas que nasceram para colaborar, para cooperar, para se deixar conduzir, mas também para influenciar de maneira sutil e não-evidente. A eminência parda. O fator oculto. Devem agir com discrição e não chamar muito a atenção sobre si, mas sem se tornarem excessivamente dependentes. Tendem a viver em ambientes femininos, acolhedores, ou com presença de muitas mulheres. 

Caminho do destino 3 — Pessoas que precisam estar no centro das atenções, mesmo que não necessariamente liderem ou comandem. Para eles, é importante comunicar e aparecer, este é o verdadeiro poder que almejam, o verdadeiro alvo. A vida lhes pede criatividade, adaptabilidade e sociabilidade. Tendem a habitar ambientes artísticos e com presença de crianças e jovens. As melhores coisas são aquelas que vêm do prazer, não da obrigação.

Caminho do destino 4 — Pessoas que naturalmente são “pau para toda obra”, muito resistentes e esforçados. Precisam lidar bem com rotina e restrições para conseguir alcançar seus objetivos. O caminho destas pessoas é reto, eventualmente maçante, mas com método e organização tudo pode ser alcançado. Costumam ter dificuldade em operar mudanças em sua vida, mas nada que uma boa dose de determinação não possa resolver. Estes são aqueles que nunca tiram férias e sempre têm de assumir (mesmo que a contragosto) as grandes responsabilidades. As coisas acontecem lentamente e a obrigação produz bons resultados.

Caminho do destino 5 — Pessoas que encontram com facilidade o lado mais divertido e aventureiro da vida. A existência destas pessoas é cheia de altos e baixos, mais do que a média, incluindo todo tipo de mudanças: de lugar, de hábitos, de trabalho, de companhia... É preciso saber apreciar o sabor das freqüentes mudanças de vento. É recomendável evitar tendências hedonistas, que podem alcançar o máximo de intensidade e futilidade sob a égide do arquétipo 5. É preciso liberdade, mas também é preciso conhecer os limites.

Caminho do destino 6 — A família é sempre uma questão central para quem vive este caminho do destino. Seja ou não uma personalidade mais ligada emocionalmente à sua família, a presença desta é constante em todas as instâncias de sua vida, tanto a família de origem como aquela que venha a criar. Isto pode ser sufocante ou reconfortante, dependendo de outros aspectos do mapa numerológico. Mas, de uma forma ou de outra, é necessário para este indivíduo saber equacionar bem o fator familiar em sua vida.

Caminho do destino 7 — Este caminho implica tendência natural a certa solidão, o que pode significar tanto isolamento depressivo quanto fecunda hibernação cíclica que rende frutos de pesquisa e trabalho solitário. Os pesquisadores, estudiosos, alguns tipos de artista, escritores, místicos e outros tipos de trabalhadores precisam de privacidade e retraimento para que possam conceber seus trabalhos. Devem, contudo, evitar uma clausura patológica, e reservar espaço para a vida afetiva – que só deslancha de fato quando é respeitada a necessidade de recomposição no isolamento. 

Caminho do destino 8 — A vida pede a estas pessoas que sejam ambiciosas e que galguem degraus progressivos em suas respectivas áreas de ação. É um caminho do destino que requer enorme senso de justiça, pois essas pessoas costumam despertar a atenção dos demais, muitas vezes sendo usadas como exemplos e/ou bodes expiatórios. O envolvimento com negócios, acordos, leis, justiça e dinheiro é constante e necessário. Devem tomar cuidado apenas para não se calcarem demais na matéria, lembrando que as leis são não só materiais mas também metafísicas. 

Caminho do destino 9 — Tendem a estar em contato com várias esferas da sociedade ao longo de sua vida, de travar contato com diferentes culturas e vivenciar situações distintas. Tudo acontece muito rápido e de repente. São pessoas que habitam uma posição muito visada e servem muitas vezes de modelo para outras. Devem estar dispostas a viver um ritmo de ininterrupto avanço e progresso, sabendo controlar a ansiedade que isto naturalmente desperta. . 

Caminho do destino 11 — Pessoas que nunca estão “definidas” ou encaixadas dentro de um determinado ambiente, pois não pertencem a nenhum em particular. Este caminho do destino traz uma grande tendência a fatos de natureza incomum, pessoas que se destacam por sua peculiaridade, ou que vivenciam a espiritualidade de maneira profunda e freqüentemente incompreendida. É preciso estar sempre um passo à frente do tempo para vivenciar em plenitude este caminho do destino. 

Caminho do destino 22 — Pessoas cujo destino inclui a superação de cargas e dificuldades fenomenais, mas cuja superação em si traz muitos fatos positivos, apesar do percurso sofrido. Muitas vezes se encontram em situações nas quais acabam tendo de fazer mais pelos outros do que para si mesmos, o que exige um ego desprendido, o que nem sempre é fácil ou possível. São pessoas que devem especialmente evitar o fanatismo religioso ou filosófico e tomar cuidado para não se deixarem diluir em egrégoras que as despersonalizem. O melhor que têm para aproveitar é sua enorme força e resistência, além de sua fina sensibilidade espiritual.

Texto de Johann Heyss. Não reproduza sem mencionar o autor e o blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário