20 de out de 2010

A numerologia e a cabala

Dando prosseguimento à desmistificação deste sistema místico (com ou sem trocadilho, a gosto do freguês) vamos abordar a relação entre a numerologia e a cabala, e desfazer o mito da “numerologia cabalística”.

A numerologia deriva da cabala, é um produto da mesma, ou melhor, da gematria. Portanto, “numerologia cabalística” é de fato um pleonasmo. 




O que é a cabala?   

A cabala é um sistema de misticismo judaico que busca explicar a organização do mundo e suas leis espirituais e materiais. Não obstante ser um sistema místico, a cabala é considerada por muitos um conhecimento altamente racional em sua abordagem. A cabala faz parte da tradição oral judaica, e a data de sua origem é incerta. Um dos primeiros livros sobre o assunto seria o Sefer Yetzirah (Livro da Criação), que data do século VI e cujos primeiros comentários foram escritos por volta do século X. Outro livro importante sobre a cabala é o Bahir (Iluminação), publicado pela primeira vez em 1176 em Provença. Mas a obra considerada mais importante para o misticismo judaico é o Zohar (Esplendor), publicado por um judeu espanhol chamado Moses de Leon, que alegava ter descoberto os originais de tal livro, que segundo alguns teria sido escrito no século dois pelo rabino Shimon bar Yohai. Isto, contudo, veio a se provar falso, tendo sido o livro de fato escrito pelo próprio Moses de Leon e atribuído a um misterioso rabino na ânsia de chamar atenção sobre a obra, além de vendê-la. A despeito da fraude comprovada, o Zohar exerceu e exerce enorme influência nos chamados cabalistas, aqueles que se dedicam ao estudo e prática da cabala. Muitos consideram que, seja quem for que tenha escrito a obra, foi inspirado diretamente por Deus, devido ao rico e profundo conteúdo do livro.

A árvore da vida

A árvore da vida vem a ser uma disposição visual da filosofia cabalística. Esta árvore é a mesma “árvore do conhecimento” citada na Bíblia, no Gênesis. O papel do número na árvore da vida é essencial, já que esta dispõe as emanações que revelam a ligação entre o homem e a divindade. Cada emanação, ou sephira, é representada por um número, que por sua vez representa um princípio ou conceito. São dez sephirot, emanações de Deus divididas em três pilares, e 32 caminhos que ligam as sephirot entre si, representados por letras hebraicas — que também são números. Aí reside o primeiro ponto de ligação entre a numerologia e a cabala: foi da cabala que a numerologia herdou o conceito de que letras e números são, essencialmente, manifestações distintas da mesma energia ou conceito. Isto é mais evidente no caso do alfabeto hebraico, onde letras são ao mesmo tempo números. Desta forma, é fácil entender que a tabela numerológica atribua o valor de 1 à primeira letra, de 2 à segunda, 3 à terceira, e assim por diante. Isto é uma forma de reconciliar as letras e os números, que se encontram amalgamados no alfabeto hebraico. Vale notar que a chamada cabala grega, que não tem base tradicional como a judaica, se baseia nesta mesma idéia, usando o alfabeto grego, o qual, como o hebraico, tem os mesmos caracteres tanto para letras quanto para números.    

E a gematria?

A cabala se divide em várias disciplinas e técnicas. A gematria é uma técnica pela qual se soma as letras de uma palavra ou nome (isto é possível porque, no alfabeto hebraico, as letras são também números) para se extrair um número que a represente. Termos ou nomes com os mesmos números finais seriam correlatos. Em termos mais simples, pode-se dizer que a gematria é a forma judaica/cabalística de numerologia — a qual só faz sentido se aplicada ao alfabeto hebraico. Não há porque se fazer aproximações ou adaptações do hebraico para outra língua, pois a língua hebraica tem seus próprios sons, e não abrange sons e letras do alfabeto latino, por exemplo. Daí que o uso da gematria para quem não é judeu e educado em hebraico seria o mesmo que tentar adaptar o alfabeto japonês para extrair cálculos na língua portuguesa — um disparate.


E qual a relação da gematria com a numerologia?

Sendo a cabala, e a gematria por tabela, objeto de estudo de místicos de todas as filosofias, nacionalidades e credos, inicialmente usava-se o esdrúxulo método de aproximação entre o hebraico e outras línguas para se fazer a conversão das palavras e nomes em números, e assim interpretá-los. Como este método logo se mostrou frustrante e artificial, principalmente porque sons e letras do alfabeto latino/romano tinham de ser omitidos, já que não havia correspondentes em hebraico, naturalmente se chegou à idéia de aproveitar o princípio da gematria, ou seja, a unificação entre letras e números típica do alfabeto hebraico — que é a base da gematria e uma das bases da cabala em si. Assim foi lançada a semente da numerologia, um conhecimento esotérico ocidental e voltado para o alfabeto latino/romano. A numerologia é um sistema moderno e ainda em desenvolvimento, que vem sendo moldado através da pesquisa de estudiosos e praticantes. Pode-se dizer então, que não existe uma numerologia cabalística, e sim que a numerologia em si já é uma ramificação, uma descendente da cabala.

Texto de Johann Heyss. Não reproduza sem mencionar o autor e o blog.

3 comentários:

  1. Muito bom o blog, eu tinha vc como contato no multiply, mas não tenho mais perfil lá, agora sigo por aq, abço!

    ResponderExcluir
  2. Caro Johann,

    Eu, assim como você, tenho um senso crítico bastante apurado. Em relação à numerologia, eu conheço bem dois sistemas usados aqui no ocidente, e mais precisamente no Brasil: a Numerologia Pitagórica e a "Numerologia Cabalística". Este segundo sistema muito criticado pelo Senhor.

    Eu aprendi uma coisa: se a experiência mostra que algo funciona é porque está certo. Há mais de 10 anos eu observo em terapia os dois sistemas, e o que percebo é que o sistema chamado "Numerologia Cabalística" é muito mais preciso que o Pitagórico. Eu faço comparações e não consigo ver coerência no sistema Pitagórico, pelo menos na aplicação para autoconhecimento.

    Pode ser que a "Numerologia Cabalística" seja mesmo um pleonasmo, mas que diferença faz isso quando funciona? Talvez o termo "Numerologia Cabalística" não devesse ser empregado, mas na falta de outro uso esse porque alguém assim denominou. Da mesma forma que a Numerologia Pitagórica recebeu este nome em homenagem a Pitágoras, e não é que tenha sido ele que o criou. Aliás, qualquer simples raciocínio lógico derruba esta hipótese.

    Enfim, o seu senso crítico aguçado tem me ajudado muito a manter os pés no chão e a tratar a numerologia como coisa séria, no entanto, vejo muitas incoerências também nas suas críticas e uma certa resistência em aceitar o diferente para poder o examinar mais profundamente. Sugiro que experimente fazer estudos de pessoas bem conhecidas suas, usando as duas tabelas de conversão - Pitagórica e "Cabalística" ou Caldeia - e compare.

    Um abraço,

    Luíz Antônio Trevizani
    Campinas - SP

    ResponderExcluir