11 de abr de 2011

O número do Ano Pessoal

Vamos agora abordar a vibração numérica que rege o ano de cada indivíduo, e que se renova a cada aniversário.
   O Ano Pessoal nada mais é senão o Caminho do Destino em uma versão reduzida, voltada apenas para aquele ano específico. Este cálculo vem a ser o ponto de partida do chamado Mapa Numerológico Anual, cujo objetivo é analisar os potenciais de um indivíduo dentro do período de um ano. É possível tecer um paralelo entre o Mapa Numerológico Anual e o Trânsito Astrológico, já que o objetivo e a estrutura de ambos é bem semelhante – devidamente guardadas as diferenças entre o sistema numerológico e o astrológico. 
   Para calcular a vibração numérica para determinado ano, basta somar os números do dia e do mês do nascimento da pessoa ao número do ano em questão. Uma pessoa nascida em 11.12.1984 que deseje saber a vibração pessoal para o ano de 2005 deverá fazer a seguinte soma: 

11 + 12 + 2005 = 2028 = 12 = 3 

   Desta forma, 3 é a vibração do período de um ano para tal pessoa. Agora, atente para um detalhe importante: o Ano Pessoal começa no dia do aniversário e termina na véspera do aniversário seguinte. Portanto, o Ano Pessoal de 2005 deste indivíduo, cujo valor é 3, começa no dia 11 de dezembro de 2005 e termina no dia 10 de dezembro de 2006. Este aparente descompasso da vibração coletiva com a individual não possui nenhuma conotação qualitativa, não é boa nem má. Mas é importante perceber que, como se trata de um período pessoal de 12 meses, não coletivo, o campo de ação entre um aniversário e outro deve ser respeitado para que a análise seja correta. 
   Cada ano representa um momento no qual um determinado tipo de ação deve ser privilegiado. O senso daquilo que em inglês, se chama timing é fundamental para o sucesso na vida, em todos os campos. Tudo corre em ciclos, e o Ano Pessoal situa e analisa tais ciclos no âmbito pessoal através do Ano Pessoal. 
   Todos nós temos livre-arbítrio para tomar nossas decisões de acordo com nossas consciências e conveniências. O Ano Pessoal não pretende fazer previsões absolutas, mas sim situar o indivíduo para que ele possa optar agir em harmonia com seus próprios ciclos e fazer a coisa certa na hora certa. 
   Segue abaixo uma lista das características e indicações para cada Ano Pessoal representado pelos números elementares e mestres. Note que a origem destes números conta muito na análise do Ano Pessoal, e após se estar familiarizado com os números elementares e mestres, é fundamental se aprofundar no conhecimento dos tipos numéricos e analisar os números de origem. 



SUGESTÕES DE INTERPRETAÇÃO PARA O NÚMERO DO ANO PESSOAL 


Ano Pessoal 1 – Este é o início de um novo ciclo. A pessoa sente mais facilidade em se projetar em todos os campos, é momento de autopromoção, ainda que tomando cuidado para não parecer gabola ou arrogante demais, o que teria efeito contraproducente. Não se deve adiar nada, nem buscar a ajuda de segundos ou terceiros: se a ajuda for necessária, deve-se ir direto ao centro, ao líder, equilibrando autoconfiança e bom senso. O momento pede que a pessoa se coloque em primeiro lugar e siga a própria cabeça e os próprios métodos. Mas pessoas que já tem uma personalidade excessivamente agressiva e altiva devem evitar a degeneração destes traços em despotismo e egoísmo. 

Ano Pessoal 2 – Aqui é necessário “baixar a bola”, sair um pouco de cena, ir para os bastidores, escutar as impressões que se causou, adotar uma postura mais humilde e persuasiva, buscar as coisas de maneira indireta e sutil. Não é o momento para se impor nada, é preciso seguir as tendências gerais, evitar chamar a atenção demais. Ao invés de se buscar o líder, é preferível estreitar laços com a “eminência parda” que sempre existe. Momento de se pensar mais no parceiro, no amor, na vida conjugal ou mesmo naquela pessoa (amigo ou algo do tipo) que nos seja muito próximo. Enquanto no ano anterior a ideia era centrar-se no próprio ego, aqui a busca deve ser voltada ao outro. 

Ano Pessoal 3 – O momento é de expansão pessoal, diversão, comunicação. A ideia central é criar, seja em que campo ou de que forma for. Publicidade é bem-vinda, mas cuidado com a qualidade da mesma, pois o período facilita a transmissão de mensagens e ideias, sejam elas boas ou más, desejáveis ou não. É uma fase que favorece o convívio com crianças, jovens ou pessoas que tenham um espírito extremamente jovial e criativo, inclusive artistas e comunicadores profissionais em geral. As ideias devem ser aproveitadas, é um ano no qual ideias jorram em profusão. É preciso misturar trabalho e diversão, ver o trabalho de maneira mais lúdica e abordar a diversão de maneira a extrair vantagens da mesma, geralmente na forma de ideias. 

Ano Pessoal 4 – Ao contrário do período anterior, agora a hora é de trabalhar duro, arregaçar as mangas, enfrentar obrigações, cumprir nossas resoluções, fazer valer nossa palavra. Não é momento de fazer corpo mole nem de tirar férias, a tendência é que sempre apareça algo fator imperativo que nos conduz ao dever antes que ao ócio (eu que estou no momento vivendo um Ano 4 daqueles que o diga). Por outro lado, a tendência à estafa e à sensação de sobrecarga é muito forte e não deve ser levada a extremos: se esforce ao máximo, mas não extrapole os próprios limites. É o melhor momento para cuidar de questões burocráticas, mas por outro lado devem ser evitadas as mudanças, a não ser as mais essenciais e inevitáveis. Período positivo para firmar qualquer ação que venha sendo empreendida nos últimos três anos. 

Ano Pessoal 5 – Agora é hora de aceitar todas as mudanças, até mesmo provocar aquelas transformações que se deseja há muito tempo. Momento ideal para tirar férias, mas como naturalmente elas não duram pelo ano inteiro, é preciso ter senso de oportunidade (não oportunismo) para aproveitar as chances e caminhos que se abrem de maneira inesperada neste ano repleto de altos e baixos. A sexualidade e sede de realizar prazeres se encontram em alta, a libido está a todo gás, fazendo deste um período em que muitos “pulam a cerca” de um relacionamento monogâmico, ou mesmo uma fase de vários casos sem consequência para aqueles que não estão numa relação no momento. Há também uma busca por prazeres sensoriais que pode levar a abusos de substâncias e bebidas para aqueles que não sabem se controlar. Contudo, para aqueles que são mestres de si próprios, este ano é um período em que tudo é vivido com enorme prazer e alegria, sem culpas. Excelente fase para viagens e mudanças, mas péssimo para tomar decisões muito importantes – as quais, se inevitáveis, devem ser tomadas de maneira muito judiciosa. 

Ano Pessoal 6 – Este é um período perfeito para tomar decisões sensatas e acertadas. Há um grande senso de comunidade, a família ocupa um papel central nas questões em pauta neste ano. A pessoa é requisitada, solicitada, é preciso responder às expectativas emocionais daqueles que amamos. Contudo, é necessário também evitar armadilhas como chantagens emocionais, ciúmes ou super-dramatização. Todas as questões relacionadas ao lar e à família se mesclam ao relacionamento, ao trabalho, à espiritualidade e a qualquer outra esfera da vida do indivíduo. Tenha em mente que estar pronto a ajudar não é o mesmo que se imiscuir na vida dos outros e pregar conceitos moralistas. Ajude quando solicitado; quando não, mantenha sua posição. Excelente período para casamento e para a procriação. 

Ano Pessoal 7 – Durante este período de 12 meses a pessoa tende a se sentir mais isolada, mais solitária, extremamente introspectiva. Isto pode se transformar num momento de extrema reflexão e estudo, de maior enriquecimento mental, psicológico e espiritual; mas dependendo da pessoa pode também significar depressão, tristeza e melancolia. Não é necessário passar por este lado indesejável do arquétipo de 7 se o mesmo for direcionado para a busca do autoconhecimento. O estudo se dá naturalmente em reclusão, e é um mito se associar reclusão a depressão ou tristeza. Mantenha o foco e conseguirá grandes progressos espirituais e mentais, mas evite o isolamento total e absoluto, saia da toca de vez em quando para arejar. 

Ano Pessoal 8 – Após um período de aprofundamento na própria alma, nos próprios objetivos e necessidades, fica mais fácil trabalhar pela prosperidade e crescimento material. Muitas vezes somos erroneamente condicionados a colocar a busca material antes da busca espiritual e mental, e isto resulta em que muitos alcancem a prosperidade material e não sabem como lidar com ela por um absoluto vazio e despreparo interior. Este é o período em que a lei de causa e efeito se mostra de maneira mais evidente: seus créditos tendem a ser pagos, bem como seus débitos, descontados. Isto abrange muito mais do que a esfera financeira ou material, referindo também e, sobretudo, a resultados (concretos ou abstratos) de ações anteriores. 

Ano Pessoal 9 – Chegamos ao término do ciclo, no qual se deve finalizar (não só no sentido de dar fim, mas de aperfeiçoar e concluir) tudo o que se começou nos últimos oito anos. Há um mito de que no ano 9 não se deve começar nada, pois não seria momento indicado para estabelecer raízes firmes. Não é bem assim. De fato, é mais fácil concluir do que iniciar coisas neste período, mas mesmo assim, o que às vezes nos parece o início de um novo projeto de vida é na verdade a ponte para algo ainda melhor que viria a começar no ano seguinte... Durante este ano é preciso evitar o nervosismo e a impulsividade excessiva, apesar de que uma certa impulsividade e espontaneidade são não apenas necessárias como vantajosas. Tudo é uma questão de dose e equilíbrio. 

Ano Pessoal 11 – Algumas vezes a pessoa tem o Ano Pessoal 11 no lugar do Ano Pessoal 2. Quando isto acontece, ao invés de um descanso e uma desaceleração ocorre o contrário: todas as atribuições do ano 1 se colocam de maneira ainda mais imperativa, como uma continuação do ano 1. Acontece que o período 11 traz a chance de enormes avanços vindos da inspiração que se sente neste período, mas será preciso enfrentar a oposição ao novo e uma certa inveja daqueles que não estão num momento tão inspirado. A intuição está em alta, mas é preciso cuidado para não aceitar interferências que a desvirtuem. 

Ano Pessoal 22 – Algumas vezes a pessoa tem o Ano Pessoal 22 no lugar do Ano Pessoal 4. Isto significa que as obrigações, deveres, compromissos e trabalho típicos do ano 4 adquirem uma conotação mais profunda, mais importante e mais espiritual. É uma grande chance para se demonstrar a própria natureza, se mesquinha ou generosa. Fase de se pensar grande, mas pensar em larga escala e em termos comunitários, não individualistas – embora a comunidade só possa ser respeitada quando as individualidades o são primeiro. 

Textos e foto de Johann Heyss. Todos os direitos reservados.

2 comentários:

  1. Tb estou num ano 4, segundo minhas contas. Não queria mudar agora, mas fui obrigado. Vamô que vamô!
    abs.

    ResponderExcluir
  2. Guinoza, o 4 tem a ver também com estrutura, então tanto se estruturar ou se DESestruturar são polaridades contidas no simbolismo do número.

    ResponderExcluir